Desmistificando a Curiosidade Sobre Deficiências: Compreendendo e Respeitando

/
Homem cego andando na calçada segurando a bengala.

Quem nunca ouviu a expressão “Será que a curiosidade matou o gato?”? É um ditado que nos faz refletir sobre a curiosidade e a busca por respostas. Quando encontramos alguém com alguma deficiência, é comum que algumas perguntas nos venham à mente automaticamente: “Como isso aconteceu? Desde quando? Como é viver assim?”

No entanto, é fundamental abordar essas questões com sensibilidade e empatia. Não há problema em querer entender a situação de alguém, mas devemos ter em mente que nem todos se sentem confortáveis em falar sobre sua condição. Além disso, não faz sentido sair fazendo perguntas pessoais a todas as pessoas que encontramos. O segredo está em estabelecer uma conexão e abrir espaço para que a pessoa compartilhe sua história se assim desejar.

Uma conversa aberta e respeitosa é a melhor maneira de esclarecer dúvidas. Perguntar diretamente é mais apropriado do que fazer suposições. Afinal, é preferível que nos perguntem a deduzir algo sobre nós.

As razões por trás de uma deficiência podem ser variadas, como acidentes, doenças genéticas, enfermidades adquiridas ao longo da vida, negligência ou tratamentos inadequados. Cada história é única, e é importante compreender que a jornada de cada pessoa é pessoal e muitas vezes complexa.

No meu caso, tenho retinose pigmentar, uma doença degenerativa da retina. Essa condição resulta na perda progressiva da visão devido à morte das células responsáveis por transmitir as imagens capturadas pela pupila para o cérebro. A formação de pigmentos cria uma espécie de “cortina” na retina. Geralmente, o processo é lento e começa com dificuldades para enxergar em ambientes escuros ou muito claros.

Minha jornada começou aos 10 anos, quando comecei a usar óculos. Aos 25, iniciei o processo de reabilitação, aprendendo a utilizar tecnologias assistivas. Hoje, aos 42 anos, mal consigo lembrar quando foi a última vez que enxerguei vultos.

Você já se viu em uma situação semelhante? Compartilhe suas experiências e pensamentos nos comentários. A conversa e a compreensão mútua são essenciais para desmistificar as deficiências e promover um mundo mais inclusivo e acolhedor.

Compartilhe
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Um homem em uma cadeira de rodas
Uncategorized

Dia Global da Acessibilidade

Getting your Trinity Audio player ready… O Dia Global da Acessibilidade, celebrado anualmente na terceira quinta-feira de maio, é uma data significativa dedicada a promover o acesso e a inclusão

Homem cego em uma palestra sobre e-learning
Uncategorized

Acessibilidade Digital em E-Learning

Getting your Trinity Audio player ready… A evolução do e-learning trouxe inúmeras oportunidades educacionais para estudantes ao redor do mundo, mas também destacou a necessidade crucial de acessibilidade digital. Acessibilidade