Tornando a web mais inclusiva: Descrição de Imagens

/
Homem com deficiência visual usando laptop e inteligência digital no escritório

Hoje em dia, as redes sociais e sites utilizam inteligência artificial para analisar imagens e transformá-las em texto. No entanto, essa conversão nem sempre reflete fielmente o que está representado na imagem, muitas vezes limitando-se a identificar objetos ou texto visível.

Para garantir que todos tenham acesso a informações visuais na internet, é fundamental fornecer descrições precisas das imagens, especialmente para aqueles que dependem de tecnologias assistivas, como leitores de tela. Estes dispositivos só conseguem ler o texto presente no atributo ALT das imagens, por isso, a descrição é crucial.

Entretanto, nem todas as imagens requerem descrição. Imagens puramente decorativas, que não têm relevância para a compreensão do conteúdo, podem ser ignoradas durante a leitura. Para determinar se uma imagem é relevante, pergunte a si mesmo qual mensagem ela pretende transmitir e se a sua ausência prejudicaria a compreensão do conteúdo por alguém que não pode ver a tela.

Uma mesma imagem pode ser descrita de diversas maneiras, dependendo do contexto e da intenção. Por exemplo, em uma campanha publicitária ou em um site de e-commerce, é crucial fornecer detalhes como marca, cor, tamanho e modelo do produto, pois essas informações são cruciais para a decisão de compra do cliente.

Aqui está um exemplo:

“Aparelho celular modelo X, com tela de 4.9 polegadas, cor preta, 128 gigas de memória, acompanha fone de ouvido e carregador.”

Por outro lado, ao apresentar um monumento ou uma obra de arte em uma exposição, a descrição precisa ser minuciosa, capturando todos os detalhes da obra. Cada componente é fundamental para a compreensão da expressão artística do autor.

Um exemplo inspirador é a descrição do MASP feita por Livia Motta, com consultoria de Cristiana Cerchiari para a Arteinclusão:

“Esta construção é um ícone da arquitetura e engenharia do Brasil, um dos cartões postais de São Paulo, na Avenida Paulista. Obra idealizada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi e construída de 1957 a 1968. Tem o maior vão livre da América Latina, com 74 metros de comprimento e 8 metros de altura…”

De acordo com a norma NBR 16.452:2016 da ABNT, a audiodescrição é essencial para tornar a informação visual acessível a todos. Isso envolve traduzir imagens em palavras por meio de técnicas especializadas, proporcionando uma narração descritiva em áudio. Para criar uma audiodescrição formal e concisa, siga estas etapas:

  1. Tipo de imagem: Fotografia, desenho, pintura, gráfico, mapa, etc.
  2. Formato: Quadrado, retangular, circular, etc.
  3. Cor: Colorido, preto e branco, etc.
  4. Resumo da imagem: Comece descrevendo o elemento mais importante na imagem, detalhando pessoas, posições, enquadramentos, vestimentas, móveis, objetos e o ambiente.

Lembre-se de que, ao publicar uma sequência de imagens, use o bom senso. Evite repetir descrições de elementos idênticos em cada foto, tornando a experiência mais agradável para quem utiliza leitores de tela. A inclusão de descrições de imagens torna a internet mais acessível e inclusiva para todos. Juntos, podemos construir um ambiente online mais igualitário e informativo.

Compartilhe
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Um homem em uma cadeira de rodas
Uncategorized

Dia Global da Acessibilidade

Getting your Trinity Audio player ready… O Dia Global da Acessibilidade, celebrado anualmente na terceira quinta-feira de maio, é uma data significativa dedicada a promover o acesso e a inclusão

Homem cego em uma palestra sobre e-learning
Uncategorized

Acessibilidade Digital em E-Learning

Getting your Trinity Audio player ready… A evolução do e-learning trouxe inúmeras oportunidades educacionais para estudantes ao redor do mundo, mas também destacou a necessidade crucial de acessibilidade digital. Acessibilidade